A meia elástica, ou meia de compressão graduada, já foi motivo de muito tabu. Muitas pessoas ainda têm uma ideia de que meia elástica é para pessoas doentes, ou com muitas varizes, ou alguma sequela de alguma doença, então o uso da meia pode ser considerado estigmatizante.

Neste post espero desmistificar o uso da meia, trazendo os principais benefícios, e também opções mais confortáveis.

Como ela funciona? Através de uma compressão maior na região do tornozelo, e gradualmente menor em direção à coxa, a meia consegue promover a drenagem de líquidos (como a linfa) e sangue de volta para o coração, justamente por esta diferença de pressão entre as regiões. Isto é um mecanismo muito “esperto”, porque mesmo parada, a meia atua como uma verdadeira bomba! Como a lei da gravidade atua sobre nós o dia inteiro, quando acordamos de manhã temos uma sensação de perna descansada, mas ao longo do dia os líquidos como linfa e sangue vão se acumulando na parte do corpo que está mais próxima do chão, como pés, tornozelo e panturrilhas. Qual o resultado? Perna cansada, dolorida e inchada o final do dia.

E o que esperar dela? Quem tem esta sensação de peso e cansaço ao final do dia com certeza vai sentir um alívio enorme dos sintomas, logo nos primeiros dias de uso. E como ela vai “treinando” este mecanismo circulatório, mesmo nos dias que você estiver sem meia, você vai se sentir aliviado.

Mas como escolher uma meia? A perna não fica muito feia? As meias são divididas por força de compressão, em suave, média e alta. Eu costumo dizer que a meia suave é a meia do trabalhador! Não significa que você tem doença nenhuma, mas se está cansado, trabalhando muitas horas em pé ou sentado, e no final do dia as pernas estão te matando, experimente usar a suave compressão alguns dias da semana. Você vai se sentir melhor! Eu costumo indicar as de média compressão para quem tem muito inchaço ou muitas varizes, ou no pós-operatório da cirurgia de varizes. As meias suave e média compressão atualmente estão muito modernas! Elas estão disponíveis em diversas cores, e transparentes. Além disso você pode optar por ponteira aberta ou fechada. Quanto ao comprimento, as ¾, ou até o joelho, são mais do que suficientes para o dia-a-dia, e para te proporcionar melhora dos sintomas. Procure pelas melhores marcas nas casas cirúrgicas ou de produtos médicos (em São Paulo quase todo shopping tem uma dessas). Dentre as marcas que gosto mais posso citar: Venosan, Medi e Sigvaris.

Mas não posso sair da cama sem meia? Isto é um exagero, muitos pacientes falam para mim: eu levantei e esqueci que estava sem meia, e então decidi não usar. Se você levantou, vai notar que a perna normalmente não fica dolorida nem inchada na primeira hora do dia. Então dá tempo de tomar café, tomar banho, e se vestir normalmente. Coloque a meia como qualquer outra vestimenta. Caso você vá trabalhar a tarde, e passou a manhã sem meia, aí sim é recomendado um repouso com a perna pouco elevada, de cerca de 20min. Tentar colocar a meia com a perna inchada é muito desconfortável.

A minha experiência com a meia: eu comecei a dar plantões muito jovem, com 23 anos, durante a residência. Às vezes minha jornada era de 12, às vezes de 24 hs. Podem acreditar, após 24 hs trabalhando não tem um ser humano que não sinta cansaço nas pernas! Então comecei a usar as meias, e o alívio foi imediato, já no primeiro plantão. Esta fase de plantões de 24 hs passou. Hoje em dia eu uso sempre que tenho uma cirurgia prolongada, ou se estou com uma rotina muito puxada e já estou sentindo cansaço, ou em congressos, viagens com muita andança… Enfim, não uso todo o dia, mas vou conhecendo meu corpo e antecipando quando a meia vai me fazer falta.

Espero que gostem do texto e que possa ajudar a desmistificar a meia elástica! Vou escrever um texto falando do benefício da meia em viagens e para a prática de exercícios de alta performance. Todo mundo sempre pergunta.

Whatsapp